Vivemos num Mundo conturbado repleto de problemas e incertezas perante o teatro da Vida. Quando os olhos se embaciam, o silêncio fala e as interrogações permanecem...é chegado o momento de meditarmos e nos abrirmos à FILANTROPIA
Sexta-feira, 14 de Junho de 2013
Porquê?

 

Precisamos, por vezes, de nos isolarmos para pensar verdadeiramente nos porquês da nossa existência. Porque sou esta pessoa?
Quantas e quantas vezes ao relembrar o passado, recente ou longínquo, angustiamo-nos com o futuro. Aprender a agir de maneira diferente sobre certos aspectos da nossa maneira de estar na vida faz-nos mudar a nossa visão em relação ao que somos e ao que nos rodeia.
Podemos utilizar esses instantes de meditação como uma porta que se abre e vermo-nos nos momentos bons e maus do passado. A seguir pensamos que é impossível vivermos agarrados ao que não tem consistência e que já não existe. Nós afinal já somos todo esse passado que ficou registado na nossa memória. Agora o que realmente é importante é o momento presente. Só ele é real.
Para encontrarmos o nosso equilíbrio não podemos desperdiçar o tempo com devaneios que não nos tragam ensinamentos. Ser simplesmente saudosista envenena-nos o espírito. A felicidade nunca é plena e não espera. Ela dá-se aqui e agora.
É, sim, muito importante, reencontrar a inocência do olhar e os nossos melhores sentimentos virem à superfície. Agarrarmos cada instante do hoje e do amanhã.
Quando nos sentimos felizes, junto de quem amamos, é útil para o nosso espírito pensar que tudo são instantes e apreciá-los em toda a sua plenitude. Não somos imortais e não devemos agir com soberba ou superioridade como se a tudo tivéssemos direito.
Agradecer as pequenas coisas felizes que vivemos, tornarmo-nos em crianças surpreendidas pela vida, sermos simples e afectivos é uma dádiva que podemos oferecer a nós próprios.
Tudo que nos acalenta o coração não passa. Desloca-se para outros instantes e ficamos sem medo do fim inevitável.
O mundo rege-se pelo nascer, viver e morrer. Se assim o aceitarmos, lutando pelo nosso bem-estar e o dos outros seremos sempre uma nascente que nunca deixará de nos saciar.
Vamos olhar o presente com alegria. Vamos estimular uma nova maneira de sentir para que o futuro seja percorrido com uma melhor filosofia de vida.
 
Aida Nuno
 
 
 

sinto-me:

publicado por criar e ousar às 18:11
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
posts recentes

Porquê?

A Paz

A vida tem um movimento e...

O meio ambiente

Os Outros e Eu

Haja disciplina e contenç...

Sentir as Palavras

VIRGILIO FERREIRA (1916-...

Direitos da Água

VIRGINIA WOOLF (1882-1941...

COBARDIA

O Natal e os Desejos

ANDRÉ MALRAUX – (1903 -19...

À beira mar plantado

Não à desistência

favoritos

E o que Fazer?

Partilhar

Aos nossos Filhos

Valorizando a Vida

Mensagem

Os Cristos no Mundo

Ambição

Emigrantes

Afectividade

A Ausência

arquivos

Junho 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Maio 2012

Janeiro 2010

Setembro 2008

Maio 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

tags

todas as tags

links
pesquisar
 
E-mail
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape
blogs SAPO